COMO EMPREENDER? ONDE ESTÁ MEU CORAÇÃO?

28/05/2013

Para empreender precisamos entender os sinais de nossa época. Quais as temáticas e tarefas mais usuais e urgentes às quais dedicamos nossas forças no dia a dia? Provavelmente é na resolução desses problemas que se concentram os temas de nossa época.

A percepção de como o mundo está acontecendo, e quais as novas tendências que estão surgindo, exige cada vez mais de nós – não só interações sinergéticas com a obsolescência dos produtos e serviços cada vez mais acelerada, mas também a necessidade da sociedade de se atualizar de conhecimentos, de sentir os “ventos” que vêm de todas as direções e, às vezes, até estar no olho dos furacões. Como consequência, todos nós, indivíduos ou organizações, temos que responder às perturbações destes movimentos, sejam elas locais ou globais, colocando-nos à altura destes desafios para que não sejamos reduzidos a um simples robô, candidatos à inclusão nas listas dos descartáveis.

A dura realidade, para um país como o Brasil, é que as mudanças são tão rápidas e constantes, que o mundo avança célere e não vai esperar até que nós consigamos entender o que está acontecendo ou até que nos ajustemos aos novos tempos e às novas transformações. Por nossa falta de preparo e ignorância do que está ocorrendo, acabamos por permitir o retorno a um novo esquema de escravidão, pois continuamos a discutir monotonamente os mesmos assuntos, perdendo tempo e deixando de criar uma visão do futuro.

Desse modo, é preciso, antes de qualquer coisa, entender os sinais de nossa época e descobrir como aprender e absorver os conhecimentos vigentes e necessários, consagrados no processo da informação e na velocidade de consumo. Como escolher a direção, e quais os parâmetros para posicionar as velas de nosso barco, entre as opções cada vez mais numerosas, fornecidas pelos satélites artificiais às redes de informatizações? Será que apenas nos concentrando na absorção de conhecimentos tecnológicos? Será que nosso coração também não precisa estimular nossas intuições, sensibilidades, emoções? Será que estes movimentos são independentes um do outro, ou devem estar ligados aos “ventos” que nosso coração emite?

Minha preocupação é que percamos a consciência da necessidade de olharmos para frente e de não estarmos atentos às tendências tecnológicas e científicas para os próximos anos e décadas, sobretudo com o aparecimento de potências globais econômicas, comerciais que invadem nossos mercados, provocando o fechamento de nossos empreendimentos e desemprego de nossos empreendedores. Importante não ficarmos subjugados e alienados aos interesses da periferia. Empreender nossas necessidades específicas é saber escutar também nossos corações, não apenas através de um aparelho eletrônico de um localizador físico como um GPS.

Um verdadeiro conceito do pensamento empreendedor, a meu ver, não significa tão somente a atitude de realizar um empreendimento qualquer, seja ele negócio, seja ele ir à academia de ginástica etc. O conceito abrange muito mais... exige um fazer com uma concepção mais ampla, geral e irrestrita. Significa o empreender levando em consideração todos os conhecimentos e sensibilidades... Isto envolve de modo direto que o coração esteja posicionado não só como órgão funcional bombeador para as funções vitais, mas também como irrigador contínuo de suas aspirações, sonhos, vontades, desejos, ou seja, todo o seu conteúdo emocional.

COMO EMPREENDER? ONDE ESTÁ MEU CORAÇÃO?